Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A wonderful day

A wonderful day

14
Jun22

O Dicionário das Palavras Perdidas

dicionário_palavras.webp

(imagem retirada daqui)
 
Quando li a sinopse do Dicionário das Palavras Perdidas, de Pip Williams achei que o iria ler, em breve, e comecei a leitura com bastante expectativa. O livro é inspirado em factos e personagens reais e permite acompanhar o processo de elaboração e edição de um Dicionário, no final do XIX.
 
Este romance conta-nos a história da pequena Esme, que vive em Oxford (1886), com o pai, e que se esconde debaixo da mesa de classificação onde são selecionadas, por um grupo de lexicógrafos, as palavras para o primeiro Dicionário de Inglês. 
 
Este é o ponto de partida para acompanharmos a vida de Esme num mundo de repleto de palavras, umas mais importantes que outras, em que as palavras ditas no dia a dia pelo povo, as palavras utilizadas pelas mulheres não têm relevância suficiente para constar de um Dicionário e que, por isso mesmo, são esquecidas.
 
O livro é, igualmente, sobre o papel da mulher no final do século XIX, início do século XX, as escolhas que são obrigadas a fazer e a luta pelo direito ao voto das mulheres em Inglaterra.
 
No início, foi uma leitura lenta e tive dúvidas se devia continuar a ler este livro. Troquei umas mensagens no Instagram com uma leitora que estava um pouco mais adiantada na leitura e decidi dar mais uma oportunidade ao livro. Ainda bem que o fiz!
 
Este é um livro que merece ser lido com atenção e que nos faz refletir sobre a relevância e o significado das palavras. Além disso, e não menos importante, fez-me pensar sobre o papel da mulher no final do século XIX, a importância do voto e das nossas escolhas.
 
A capa do livro é lindíssima e a organização dos capítulos está em consonância com a capa e com toda a história.
 
Não sei desenhar, mas as descrições do Scriptorium fizeram-me ter vontade de saber desenhar e de colocar no papel a forma como imaginava o espaço onde decorria a seleção e validação das palavras.
 
“- Prefiro dizer que lhes dou substância. Uma palavra real é uma palavra dita em voz alta e que significa qualquer coisa para alguém. Nem todas conseguem desbravar terreno até conquistarem lugar numa página. Há palavras que toda a vida ouvi dizer e que nunca vi impressas. “(pág. 100).
 
Boas leituras!
29
Mai22

A célula adormecida

celula adormecida.webp

(imagem retirada daqui)

Na primeira semana de maio fiquei "covidada" e tinha acabado de ler as Mulheres de Sal. Sentia que precisava de ler algo diferente e que de alguma forma ajudasse a passar o tempo de confinamento.

Na minha estante estava desde setembro de 2021 a "Célula Adormecida" do Nuno Nepomuceno e achei que era a altura de ler este livro. Tinha tempo e é um género de livro que gosto bastante.

Foi uma boa escolha! Ainda não tinha tido oportunidade de ler um livro deste autor e gostei imenso. Li o livro praticamente num dia.

A história prendeu-me desde a primeira página e ao longo das suas 456 páginas o livro transporta-nos para vários locais - Lisboa, Turquia, ilha grega de Lesbos, Síria. As vidas das diferentes personagens interligam-se, de uma forma subtil, até ao desfecho final.

Este livro para além de ser um thriller bem escrito aborda temas que nos fazem refletir: o drama dos refugiados provenientes da Síria e do Médio Oriente e sua luta pela sobrevivência numa Europa, em que muitas vezes não são bem vindos; o preconceito, a intolerância religiosa, a xenofobia e como estes desencadeiam reações de ódio e violência com consequências imprevisíveis.

Depois de ler as "Mulheres de Sal" que aborda, entre outros temas, o drama dos refugiados da América Central, acabei por ler sobre os refugiados provenientes do Médio Oriente, numa perspetiva e enquadramento diferente, mas que me fez refletir, igualmente, sobre a sorte que é nascermos em determinado país e no "lado certo" da vida.

A "Célula Adormecida" é um livro interessante que vale a pena ler, para quem gosta de thrillers religiosos e os restantes livros da série Afonso Catalão já estão na minha lista de desejos.

Boas leituras e boa semana!

 

 

20
Ago21

Por estes dias!

Durante esta semana tenho sentido uma necessidade enorme de escrever e verbalizar aquilo que está na minha cabeça.

Este blog é, entre outros assuntos, sobre agradecer e valorizar os pequenos momentos do dia e da vida. Desde segunda-feira, dia 16 de agosto, que sinto um aperto no coração.

Ver as notícias deixa-me triste, muito triste. A tomada de Cabul pelos talibãs, a tentativa de fuga de milhares de pessoas, o recuo de uma sociedade no tempo, com manifesto desrespeito pelos direitos humanos. No mesmo notíciário, os incêndios no sul de Portugal, os fenónemos extremos por todo o planeta (cerca de 50 desde o início do ano), o sismo no Haiti e a pandemia de Covid-19. São muitas, mas mesmo muitas tragédias para este espaço comum que todos habitamos e partilhamos e que afectam milhares e milhares de pessoas.

Nestes dias o sentimento de gratidão por ter nascido num país como o nosso, por viver onde vivo e ter a vida que tenho, com toda a liberdade é enorme. É preciso agradecer todos os dias aquilo que temos e que a vida nos dá!

26
Jul20

Ler!

Voltar a este espaço, sem ter a certeza se consigo ter tempo ou disponibilidade mental para manter um certo ritmo de escrita. O tempo é um bem escasso e muitas vezes sinto que não o aproveito da melhor forma. Os motivos são vários e neste momento não é esse o foco deste texto.

Hoje quero escrever sobre a leitura. Ultimamente sinto muita necessidade de ler e acho que se pudesse passava os dias a ler. Sempre li muito e lembro-me de começar a ler com regularidade e sozinha quanto tinha 8 anos. Os primeiros livros de que tenho memória são os livros dos Cinco e, desde essa altura até ir para a universidade, lia muito, especialmente durante o verão. Li e reli as coleções juvenis que existiam na altura, li alguns clássicos, romances e a leitura foi evoluindo com a publicação de novos livros e o gosto por temas diferentes.

Os meus pais sempre incutiram o gosto pela leitura e sempre facilitaram o acesso aos livros. Eles compravam muitos livros para lerem e também compravam regularmente livros para os filhos. Sempre tive acesso a livros dos mais variados géneros e temas. Após a entrada na idade adulta não consegui manter o mesmo ritmo de leitura. As solicitações são inúmeras e nem sempre existe disponibilidade mental e física para ler com o mesmo ritmo. De qualquer forma continuei sempre a ler e acima da média de leitura em Portugal. Passei por várias fases, em que lia muito ou andava a ler o mesmo livro durante muito tempo. Cada vez que estava com o meu pai, a pergunta era sempre a mesma: " O que andas a ler?" 

Neste momento e nem consigo explicar bem o porquê tenho imensa vontade de ler. Já tenho vários livros escolhidos para as férias e quando estou a acabar um livro, já estou a pensar no que vou ler a seguir. Talvez precise do silêncio que acompanha a leitura, de desligar do resto das solicitações do mundo, de viajar para outros sítios, viver outras épocas ou simplesmente fazer algo que o meu pai adorava. Talvez seja uma forma de estar perto dele.

Não sei se este texto tem sentido, mas preciso de registar esta vontade imensa de ler e mantê-la bem presente no meu dia a dia.

 

 

08
Jul20

O início

Criei um blog e agora? Já não é a primeira vez que penso em criar um blog. Aliás já tinha feito um rascunho de uma ideia de blog partilhado com uma amiga, em 2014. No entanto, na altura tínhamos tantas coisas para fazer que não avançámos com a ideia. 

Os anos seguintes foram complicados e cheios de emoções e sentimentos que muitas vezes ficaram por exprimir. Agora, em 2020, sinto que é a altura de dar forma a esta ideia. 

Desde a adolescência que tenho diários, mas sem uma escrita contínua. Escrevo por fases. Nalgumas alturas escrevo com muita frequência e depois estou meses e anos sem escrever. O papel sempre foi uma boa ajuda para organizar as ideias e esvaziar a cabeça. 

Agora sinto que preciso de voltar a escrever e não consigo pegar no caderno. Sinto que devo fazer uma retrospectiva do último ano, mas vai ser um exercício difícil com muitas emoções. Não vou fazer esse balanço aqui, essa parte fica mesmo para o papel.

Aqui quero agradecer os momentos bons do dia-a-dia,  escrever a minha opinião sobre os livros que leio e ter um espaço meu para escrever sobre assuntos que pairam na minha cabeça e não sei bem onde os libertar.

Hoje fico por aqui, mas sinto que vou voltar!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Leituras

A Rapariga do Casaco Azul
Persuasão
Segredos Submersos
O Clube Jane Austen
Tudo tem o seu lugar: Como organizar a sua casa em cinco etapas
A Invenção das Asas
A Dança das Estrelas
A Sociedade Literária da Tarte de Casca de Batata
Viver Sem Ti
Até para o ano, em Havana
A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert
A Vida Secreta das Viúvas Panjábi
O Desaparecimento de Stephanie Mailer
A Grande Solidão
O pequeno caderno das grandes verdades
O Poder do Menos
A Decisão Final do Major Pettigrew
As Mensageiras da Esperança
A Terceira Índia
Um Violino na Noite

A ler

O Enigma do Quarto 622

goodreads.com

Desafio 2022

2022 Reading Challenge

2022 Reading Challenge
Wday has read 1 book toward her goal of 18 books.
hide

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub